– Por Janine Costa* –

              Novos modelos de relação entre as organizações e a sociedade surgem para se encaixar na perspectiva cooperativa de sustentabilidade do Planeta, aproximando assim, interesses de ambos. As organizações passam a perceber a sua responsabilidade perante as demandas sociais e ambientais, estimulando um novo posicionamento por parte dos gestores perante tais questões.

            Para tal postura deu-se o nome de Responsabilidade Social, que passa a fazer parte da agenda das organizações com ações importantes para a coletividade. Atuando sob esta nova perspectiva, as organizações passam a desenvolver ações no sentido de associar seus produtos e suas marcas em ações de cidadania, preservação do meio ambiente e outras iniciativas sociais.

          O conceito de Responsabilidade Social tem fornecido importantes instrumentos gerenciais para capacitação e criação de condições de competitividade para as organizações, qualquer que seja o seu segmento. Além de fomentar a criação de novas vagas em áreas, até então, pouco exploradas como consultorias ambientais, projetos de cidadania, reciclagem de materiais, entre outros. Estes setores passam a ter um papel relevante neste cenário, gerando novas oportunidades de trabalho e atuação.

Mas, o mais importante é a visão que as próprias organizações assumem perante o desenvolvimento social por meio de um papel participativo e responsável na melhoria das condições planetárias. As pessoas são afetadas por esse discurso e possibilita um processo de mudança em que todos se envolvem no sentido de melhorar as condições da vida em comum na Terra.

*Janine Costa é coordenadora acadêmica da Universa Escola de Gestão, Psicopedagoga Clínica e Institucional, Especialista em Psicodrama e Mestre em Educação.