No centenário do Dia Internacional da Mulher, comemorado hoje, as vitórias alcançadas pela luta feminina são evidenciadas. Além de fazer parte dos assuntos do Estado e de ser objeto de formulação de políticas públicas, a equidade de gênero deve ser um princípio compartilhado por todos os membros da sociedade.

No ambiente corporativo, a ascensão feminina tem chamado a atenção nos últimos anos. As mulheres estão inseridas no mercado de trabalho há algum tempo, mas as atividades exercidas por elas sofreram uma mudança nas últimas décadas: Os altos cargos das empresas passaram a ser ocupados também por mulheres.

Para conquistar os cargos de liderança, quando todos eles pertenciam a figuras masculinas, as mulheres procuravam igualar o comportamento àqueles que os homens apresentavam, com a intenção de se mostrarem competentes àquelas funções. Com a conquista desse espaço, as mulheres deixaram de buscar o comportamento das figuras masculinas e as características específicas dos perfis femininos passaram a ser valorizadas. Hoje, o desafio da mulher é exercer sua liderança valendo-se dos valores essencialmente femininos.

E o resultado já começou a ser notado. Segundo estudo conduzido pelo Great Place to Work – Institute Brasil, 36% dos postos de liderança, no ano de 2009, eram ocupados por mulheres. Em 1997, apenas 11% dos cargos contavam com a presença feminina.